Translate

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Homenagens em comemoração a Semana da Pátria

Estamos na Semana da Pátria e a escola Erich Gruetzmacher realizou o seu tradicional desfile pelas ruas da vizinhança, além de observar a entoação dos Hinos da Independência e do Hino Nacional Brasileiro todos os dias da semana.






quinta-feira, 1 de setembro de 2016

“Diga não ao Bullying”






“Diga não ao Bullying”


1 INTRODUÇÃO

O projeto aqui apresentado, será realizado no ano de 2016 na E.E.B. Erich Gruetzmacher com o intuído de informar e esclarecer o que é Bullying e junto com os alunos construir uma comunidade escolar justa e ética que combate esse tipo de atitude na escola e na sociedade.

O bullying pode ocorrer em qualquer contexto social, mas nosso intuito é discutir essa prática para que ela não aconteça nem na escola e em nenhum outro ambiente. O que buscamos é conscientizar os alunos sobre o que é bullying e a sutil diferença entre ofensas e agressões e salientar que nenhuma das atitudes é aceitável perante a sociedade. No entanto a discussão deve abrir espaço para que esclareçamos quais os efeitos do bullying para quem convive com ele.

Bullying diz respeito a atitudes agressivas, intencionais e repetidas praticadas por um ou mais alunos contra outro. Portanto, não se trata de brincadeiras ou desentendimentos eventuais.
Os indivíduos que mais sofrem pelos comportamentos agressivos geralmente são pouco sociáveis, inseguros quanto à adequação a determinados grupos existentes na escola e apresentam a auto-estima tão baixa a ponto de acreditarem que são merecedores dos maus-tratos sofridos. Na maioria das vezes eles têm poucos amigos, são quietos e sua passividade não permite que eles reajam efetivamente às agressões.
O bully não é uma novidade no contexto escolar, mas ele sempre se apresentou apenas como brincadeiras de mau gosto, nos últimos anos evidenciaram as consequências desse comportamento, mostrando as marcas em quem sofreu calado e não conseguiu supera-las. Violência só pode gerar violência, por isso queremos combater esse comportamento.
As escolas precisam enfrentar o bullying construindo estratégias que favoreçam o bem-estar psicosocial no ambiente educativo. A escola não pode ser um espaço de homogeneização, mas sim de resgate e respeito aos valores e as diferença.
O bullying não pode ser aceito na escola como um comportamento adolescente ou coisa da idade. Precisamos discutir abertamente com nossos alunos quais são os comportamento e atitudes esperados dos cidadãos que vivem em sociedade.

2 JUSTIFICATIVA

Na busca de formar sujeitos justos, éticos, humanos  e descentes que a E.E.B. Erich Gruetzmacher realiza o projeto “Diga não ao Bllying” em cumprimento da lei LEI Nº 13.185, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015.

A partir de muitas reflexões percebemos que a escola e o corpo docente não podem se omitir diante da prática do bullying, nossa escola prioriza o respeito ao outro nessa busca se preocupa em esclarecer o que é bullying e o que podemos fazer para mudar esse comportamento dentro dos muros da escola, para que assim essa mudança possa ser perpetuada dentro de toda a sociedade.

Acredita-se que desenvolvendo discussões e reflexões sobre esse tema poderemos esclarecer os alunos e construir uma postura antibullying, assim a exerce um de seus papei que é formar sujeitos preparados para vida em sociedade.

3 OBJETIVOS

3.1 GERAL

Promover o entendimento do que é bullying e suas implicações para a vida e o desenvolvimento de uma pessoa, sensibilizando os alunos sobre a relevância do tema.

3.2 ESPECÍFICOS

a) Conscientizar os alunos sobre a existência do bullying e suas consequências;
b) Proporcionar nos envolvidos a consciência de que pode-se  reverter as situações de bullying;
c) Compreender os sentimentos dos envolvidos;
d) Sensibilizar os alunos a reconhecer as vítimas;
e) Desenvolver comportamentos eficazes anti-bullying.
4 PLANO DE AÇÃO
Mediante a realização de atividades pelos alunos, pretende-se alcançar os objetivos propostos, como:
- Filmes
- Discussão
-Assembleias
- Confecção de cartazes
4.1 INSTRUMENTOS
- Trechos do filme “Bullying”;
- Desenho “Venha a minha festinha”- Turma da Mônica;
- Curta metragem “Convivência” – Pixar;
- Vídeo “Ética - Corredor espanhol Ivan Fernandes Anaya”;
- Curta metragem “Corto Animado Bullying (Blender)”.
- Confecção de cartazes;
4.2 RECURSOS
- Humanos: professores e a direcção;
- Materiais: computador, cartolina, revista, cola, aparelho de dvd, data-show;
- Estrutura física: auditório da instituição e sala de aula dos alunos.

4.4 SINOPSE DOS FILMES

Filme: “Bullying”
Jordi é um garoto de 15 anos que recentemente perdeu o pai e, justamente com sua mãe, decide mudar sua cidade para começar uma nova vida. No primeiro dia de aula na escola nova Jordi se destaca em sua turma, na aula de matemática o que faz chamar a atenção de um grupo de garotos zombadores. Entre esses garotos está Nacho, que é o garoto que articula as ações de Bullying. Ações degradantes, muito ruins e tristes são sofridas por Jordi, que não conta nada a ninguém, nem a sua mãe.
Desenho: “Venha a minha festinha”
Cebolinha e Cascão recebem um convite para a festa de aniversário de Mônica, assim que lêem Cascão fica muito contente, mas Cebolinha informa que eles não poderão entrar na festa, pois para entrar é preciso levar uma boneca. Revoltados, os dois decidem invadir a festa com mais um dos Planos Infalíveis de Cebolinha.

5 METODOLOGIA

Este projeto será realizado pelos professores das turmas do 1º ao 5º ano, os professores dos anos finais e ensino médio de Filosofia, Sociologia e Educação Física. O trabalho consistirá principalmente na realização de assembleias bimestrais, onde iniciaremos a discussão a partir dos conhecimento prévios dos alunos a cerca da temática do que é Bullying, quais as consequências na vida dos envolvidos e a importância dos valores éticos nas relações entre os alunos para proporcionar um espaço escolar pacifico. Segundo Silva (2010):

O bullying é um termo ainda pouco conhecido do grande público. De origem inglesa e sem tradução ainda no Brasil, é utilizado para qualificar comportamentos agressivos no âmbito escolar, praticados tanto por meninos quanto por meninas. Os actos de violência (física ou não) ocorrem de forma intencional e repetitiva contra um ou mais alunos que se encontram impossibilitados de fazer frente às agressões sofridas. Tais comportamentos não apresentam motivações específicas ou justificáveis. Em última instância, significa dizer que, de forma “natural”, os mais fortes utilizam os mais frágeis como meros objetos de diversão, prazer e poder, com o intuito de maltratar, intimidar, humilhar e amedrontar suas vítimas.

Tipos de bullying:

1. Bullying físico:
Ou seja qualquer contato físico que possa ferir uma outra pessoa, tais como: bater, chutar, dar socos, etc Tomar algo que pertence a outra pessoa e destruir em seguida. Por exemplo, alguém que derruba você da bicicleta intencionalmente é bullying físico.
2. Bullying verbal:
Xingamento, fazer comentários ofensivos, ou fazer piadas sobre a religião de uma pessoa, gênero, etnia, condição sócio econômica, ou a forma como eles olha para você e etc.
3. O bullying indireto:
Inclui espalhar rumores ou histórias sobre alguém, contar aos outros sobre algo que foi dito para você em particular. Ou seja a fofoca pura e simples. Por exemplo: insinuar que alguém é gay, e etc.
4. A alienação social:
É quando se exclui alguém de um grupo de propósito. Crianças com síndromes são vítimas desse tipo de bullying . No ambiente do trabalho acontece muito também; tirar sarro de alguém, apontando suas diferenças também se caracteriza alienação social.
5. Intimidação:
É quando um valentão ameaça alguém e essa pessoa fica assustada o suficiente para fazer tudo que o valentão quer.
6. Cyberbullying:
É feito através do envio de mensagens, fotos ou informações por meios eletrônicos, computadores, telefones celulares e redes sociais e etc. Com o crescimento das redes sociais, como Facebook, Twitter, Instagram, esse tipo de bullying faz ainda mais estrago e em tempo recorde.

É importante diferenciar as brincadeiras e apelidos comuns na infância com a prática do bullying que mina a auto estima de quem sofre as agressões. Segundo Silva (2010):

Os adultos devem sempre estimulá-los e procurar métodos eficazes para que essas habilidades possam resgatar sua auto estima, bem como construir sua identidade social na forma de uma cidadania plena.


Por isso acreditamos que os adultos, pais, professores e outros integrantes do corpo docente devem estar atentos para perceber quem são os agressores e as vitimas para poder buscar soluções mais humanas para os conflitos, dando todo o suporte para quem sofre as agressões poder fortalecer sua auto estima e saber que não está sozinho.

5.1. ASSEMBLEIA

5.1.1. PRIMEIRA ASSEMBLEIA

A primeira assembleia a ser realizada com os alunos do ensino fundamenta I, iniciará com o desenho animado “Venha a minha festinha” – Turma da Mônica. Após esse primeiro momento os alunos serão questionados a cerca do comportamento dos personagens:

A postura do Cebolinha e do Cascão são aceitáveis?
Que alternativas eles poderiam usar para resolver o conflito?
Como a Mônica resolveu o problema é uma atitude aceitável perante a sociedade?
Em que momento podemos considerar que esse comportamento é Bullying?
O que é Bullyin para os alunos da escola Erich Gruetzmacher?
Qual a diferença entre bullying e agressão física e verbal?
Quem é cumplice nos casos de Bullying?
Que atitude quem presencia um caso de bullying deve tomar?
E quem sofre?
O que leva uma pessoa a praticar Bullying?
Qual a paz que queremos promover?


A primeira assembleia a ser realizada com os alunos do ensino fundamenta II e os alunos do ensino médio, iniciará com um trecho do filme “Bullying” onde o Jordi sofre calado as ações de Bullying praticadas por Nacho. Após esse primeiro momento os alunos serão questionados a cerca do comportamento dos personagens:

A postura de Nacho é aceitável?
Como se espera que as pessoas se comportem na sociedade?
Como Jordi reagiu, vai ajuda-lo a superar o que aconteceu?
Em que momento podemos considerar que esse comportamento é Bullyin?
O que é Bullyin para os alunos da escola Erich Gruetzmacher?
Qual a diferença entre bullying e agressão física e verbal?
Quem é cúmplice nos casos de Bullying?
Que atitude quem presencia um caso de bullying deve tomar?
E quem sofre?
O que leva uma pessoa a praticar Bullying?
Qual a paz que queremos promover?

5.1.2. SEGUNDA  ASSEMBLEIA
A segunda assembleia a ser realizada com os alunos iniciara com o curta metragem “Convivência”. Após esse primeiro momento os alunos serão questionados a cerca do comportamento dos personagens:

Como vocês se sentiriam no lugar do pássaro maior?
Como se sentiriam no lugar dos pássaros menores?
O que você fazem quando estão com seus amigos na escola?
Somos todos iguais?
Quem é diferente de nós?
Devemos agir todos da mesma maneira apenas por sermos amigos?
Podemos ter escolhas diferentes e ainda continuarmos amigos?


Assistir o curta novamente e aborde outros pontos:
Os pássaros pequenos se uniram em prol de um único objectivo, isso poderia ser positivo?
Quando os pássaros se uniram para sabotar o pássaro diferente eles se prejudicaram?
O que nós podemos fazer em grupo para termos objectivos melhores em relação as pessoas com que convivemos?
O que podemos fazer na escola para não desenvolver atitudes de preconceito perante as pessoas diferentes?

5.1.3. TERCEIRA  ASSEMBLEIA
A terceira assembleia a ser realizada com os alunos iniciara o vídeo com do filosofo e educador Mario Sergio Cortella “Ética- Corredor espanhol Ivan Fernandes Anaya”. Após esse primeiro momento os alunos serão questionados a cerca do que é ético, para podermos abordar o posicionamento de quem é cúmplice dos atos de bullying:

Quantos aqui teriam a mesma postura do corredor Ivan Fernandes Anaya?
Quem determina o que é certo ou errado?
Que comportamentos são esperados de nós na sociedade?
O que você acha da frase “Tudo que não puder contar como fez, não faça.”?
Quando nós presenciamos um ato de agressão e não fizemos nada porque não foi com nós é um ato de cumplicidade, alguém já se sentiu impotente ao presenciar um ato de agressão?
Agora, como vocês se sentiram diante disso?
O melhor jeito de resolver os problemas com o bullying é não ficar calado. Para quem vocês podem contar o que vocês viveram ou presenciaram?

5.1.4. Quarta  ASSEMBLEIA
A quarta assembleia a ser realizada com os alunos iniciara o vídeo com Corto Animado Bullying (Blender) . Após esse primeiro momento os alunos serão a discussão será direcionada para o que os alunos percebam como acontecerão ações anti bullying na escola. E o que pode ser melhorado? E o que deve ser mantido?

6. Avaliação

 A avaliação será realizada a partir da participação dos educando nas assembleias. Observando como os alunos trazem seus conhecimentos para essas discussões e como o ato de falar em assembleia pode ajuda-los a desenvolver a postura de defender suas ideias, opiniões e debate-las tornando esse momento de assembleia a possibilidade de construírem novos conhecimentos. Buscaremos perceber como a discussão sobre o bullying pode construir novas posturas diante dos comportamentos já existente e os que querem ser evitados.

Também realizaremos a filmagem de um aluno por turma do 1º ano do ensino fundamental ao 1º ano do ensino médio, para que eles definam o que Bullying para podermos perceber a evolução gradativa das percepções dos alunos ao longo do trabalho realizado com assembleias.

REFERÊNCIA

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Bullying: Cartilha 2010 – Projeto Justiça na Escola. Brasilia- DF: Conselho Nacional de Justiça, 2010.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Alunos da escola Erich Gruetzmacher vencedores da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro

   A Comissão Julgadora da EEB ERICH GRUETZMACHER - Jaraguá do Sul/SC, composta por sua secretária Suely Vieira Billert e os professores Davi Luz de Abreu, Jose Birwig e Marco Antônio Borges selecionou os seguintes textos:


   Título: ESTA É A MINHA CIDADE
   Aluno: EDUARDO DA SILVA EUFRÁZIO
   Professora: Jéssica Alves da Silva Cozer



Esta é a minha cidade


Asfalto, concreto e estrada de chão
Ar poluído que machuca o coração
Crescimento da cidade, a beleza no horizonte
Infelizmente em qualquer bairro, acontece acidente.

A Schützenfest  é um evento elogiado
Lá a vários chopps e marreco recheado
Algumas ruas são vazias que as pessoas nem dão bola
Mas o legal é que nessas ruas é bom pra jogar bola.

Aqui tem muitas escolas, e estão sempre lotadas
Quando bate o sinal ninguém segura a garotada.
Aqui vem muitos turistas, e faz frio também
Mas você vai gostar, se um casaco você tiver.

Histórias de sofrimento, tempos de lamentação
Tudo isso foi vivido, na era da escravidão.
Cidade crescendo, construindo prédios
E aquela tarde de sábado que sempre vem com tédio.

A rua principal do centro anda sempre lotada
Você vê carros passando, até de madrugada.
Mas se você mora em rua com muita gente, você tem muitas amizades.
Jaraguá do Sul, esta é minha cidade.




  Título: A RUA DA VIDA
  Aluna: TALITA BAUGARTEL
  Professora: Isaura Mendes




A rua da vida


  Da porta da minha casa vejo todos os dias passarem na rua, as mesmas pessoas, indo e vindo, dia após dia na mesma hora, com o destino de sempre.

  Fico olhando essas pessoas e crianças brincando, indo para a escola, indo trabalhar, ou até mesmo só estão caminhando, porque não precisa ir para nenhum lugar.

  Algumas pessoas fazem por valer, correm pelo mundo, e àquela rua empoeirada ficou um pouco mais deserta. Mas alguns permanecem presos no dia a dia.

  Posso ficar horas observando, só imaginando, essa é a melhor parte vejo como são, imagino como eram! Como serão.

  Aquela criança que brincava de bola andava de bicicleta, deixou a bola de lado para carregar uma mochila pesada cheia de livros, e virar aquele adolescente que odiava monotonia e o fato de trabalhar, casou, teve filhos, e passou a trabalhar mais para poder sustentar a família, e naquela rua pela qual cruzou a vida toda com pressa, agora passeia devagar, somente por estar ali, não tem mais vontade de brincar, não vai mais a escola e não precisa trabalhar.

  Claro que algumas agitações nos pegam desprevenidos. Àquela criança quer brincar livre, mas a rua torna-se perigosa. Só lhe resta procurar diversão nos jogos eletrônicos, onde acaba se expondo a mais perigos. O adolescente quer lutar por direitos, asfalto, por exemplo, novas melhorias na escola, e no transporte público. Faz manifestações, vai para a rua, grita, quer que ouçam sua voz. Aquele trabalhador procura algo pra se divertir e escapar do estresse e dos problemas. Procura bailes, baladas e eventos, onde acaba causando tumultos maiores do que esperava. Já aquele senhor de idade só quer calmaria, onde o barulho das novas obras e construções incomoda, onde a prefeitura não resolve nada, e reclamar e observar os vizinhos parece virar a melhor coisa do mundo.

  Simplesmente assim, não tem nada de extraordinário, nada que mereça uma super atenção, é somente uma rua como todas as outras, a rua da minha casa, a rua da minha vida, a rua da vida alheia.


quarta-feira, 24 de agosto de 2016

SEMANA NACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA

  Observa-se no período de 21 a 27 de Agosto a SEMANA NACIONAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA. Para trabalhar o tema as funcionárias da A.P.A.E. de Jaraguá do Sul, Kelli C.F. Stapait - Fisioterapeuta, Aline Rafaela S. Flohr - Pedagoga e a aluna e usuária da A.P.A.E. Cristina Rosa estiveram em nossa escola e trouxeram o filme "De Porta em Porta" - que conta a história de uma pessoa com múltiplas deficiências que muda para melhor a vida das pessoas em sua volta - e junto aos nossos alunos promoveram um momento de reflexão e conscientização sobre as diferenças e o preconceito.









                                                 E o filme apresentado nesta ocasião:


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Feira de Ciências da Escola Erich Gruetzmacher 2016

  Durante todo o dia desta sexta-feira, 19 de agosto de 2016 estará sendo realizada a Feira de Ciências da Escola Erich Gruetzmacher 2016. Toda a comunidade se faz presente para acompanhar e aprender mais com as estandes científicas onde os alunos orientados pelos respectivos professores de cada disciplina estão expondo trabalhos que refletem seu aprendizado no dia a dia da sala de aula.